Crónicas do autor:

Nota de fecho

A primeira das causas

Na peça Júlio César de Shakespeare, a dada altura Cassius diz a Brutus: “a falha caro Brutus, não está nas estrelas mas em nós próprios”, ilustrando a raiz de todas as causas, para o 1) bem, 2) liberdade e 3) progresso. O seu nome?: ...

O lobbying em Portugal

Antes Portugal era um estado corporativo. Hoje é um país de lobbies. Sendo estes como os herdeiros daqueles. E não é assim surpreendente que a regulamentação portuguesa sobre lobbies oscile entre o inexistente e o inoperacional. Apesar de quatro ...

Reindustrialização?

Fala-se muito hoje na necessidade de reindustrializar a Europa. E Portugal, é claro. O que é obviamente um disparate. Defender a indústria contra os serviços faz tanto sentido como há algumas décadas defender a agricultura contra a indústria.

O declínio português

José António de Sousa, Presidente da Liberty Seguros Portugal, referiu-me um artigo de Vasco Pulido Valente no Publico, onde o meu ex-professor (no hoje ISEG, antigas “Económicas”), descreve o declínio de Portugal desde a perda do Brasil ...

Nokia: o melhor e o pior

No outono de 2013 a Nokia vendeu a sua divisão de telemóveis à Microsoft. Finalizando assim dois períodos distintos. O melhor e o pior.

Maucher (o Senhor Nestlé)

José António de Sousa, um dos melhores gestores portugueses (“pelos seus frutos os conhecereis” - Mateus 7:16), levou em boa hora a Liberty Portugal a patrocinar a edição portuguesa do Breviário da Gestão de Helmut Maucher (CEO ou/e ...
Nota de Fecho

A anfitriã da casa branca

A distância morreu devido à diminuição e aumento da rapidez dos transportes. Maior facilidade de comunicações (móveis, Skype, vídeo conferências). E explosão da informação (internet, parabólica, cabo).

A ECCO está de volta

A liberalização do comércio mundial expôs as indústrias tradicionais portuguesas a um nível (sem barreiras) e tipo (países) de competição a que não estavam habituadas. E não se tendo adaptado, entraram em crise: os têxteis, a cerâmica, os cristais.
NOTA DE FECHO

Jordan Belfort

Mais conhecido como o lobo de Wall Street, devido ao seu (primeiro) livro e (posterior) filme, vive hoje de dar conferências. O preço: ± 3.000 dólares incluindo dossier e vídeos. O tema: a importância das vendas (que são as trincheiras de ...

Páginas