Crónicas do autor:

Nokia: o melhor e o pior

No outono de 2013 a Nokia vendeu a sua divisão de telemóveis à Microsoft. Finalizando assim dois períodos distintos. O melhor e o pior.

Maucher (o Senhor Nestlé)

José António de Sousa, um dos melhores gestores portugueses (“pelos seus frutos os conhecereis” - Mateus 7:16), levou em boa hora a Liberty Portugal a patrocinar a edição portuguesa do Breviário da Gestão de Helmut Maucher (CEO ou/e ...
Nota de Fecho

A anfitriã da casa branca

A distância morreu devido à diminuição e aumento da rapidez dos transportes. Maior facilidade de comunicações (móveis, Skype, vídeo conferências). E explosão da informação (internet, parabólica, cabo).

A ECCO está de volta

A liberalização do comércio mundial expôs as indústrias tradicionais portuguesas a um nível (sem barreiras) e tipo (países) de competição a que não estavam habituadas. E não se tendo adaptado, entraram em crise: os têxteis, a cerâmica, os cristais.
NOTA DE FECHO

Jordan Belfort

Mais conhecido como o lobo de Wall Street, devido ao seu (primeiro) livro e (posterior) filme, vive hoje de dar conferências. O preço: ± 3.000 dólares incluindo dossier e vídeos. O tema: a importância das vendas (que são as trincheiras de ...

Os cristãos novos, o bêbado e o candeeiro público

Na sequência do que a austeridade fez a Portugal, nasceu uma legião imensa de cristãos-novos, recém convertidos às políticas de crescimento. Uns praticam a nova fé defendendo o investimento público keynesiano.
Nota de fecho

Khrushchev: o perito

Concluindo a minha modesta contribuição para a celebração do centenário de figura ímpar que foi Álvaro Cunhal, recorro a um dos maiores sovietólogos de sempre: Khrushchev. Um homem que naturalmente conhecia o sistema por dentro como poucos. Por ...
Nota de Fecho

Alex Ferguson

A sua reforma coincidiu com o lançamento de um caso pela Harvard Business School (professora Anita Elberse), um livro (por M. Carson comparando-o com Wenger, Mourinho) e uma autobiografia (com P. Hayward).

Extra-terrestres ou hipócritas?

Os cem anos do nascimento de Álvaro Cunhal foram pretexto para a “intelligentsia” nacional tecer os maiores encómios à figura. Contudo, em poucos países do mundo (exceptuando a Coreia do Norte, Cuba e talvez a China), um líder comunista ...

Páginas